EGOÍSMO HUMANO

 

EGOÍSMO HUMANO

 

EGOÍSMO HUMANO

por Cláudio El-Jabel

 

As culturas antigas nos deram ou melhor,

Nos deixaram o caminho para irmos evoluindo,

Pena que me parece que a humanidade resolveu parar,

Cansada talvez quem sabe da jornada,

Decidiu por outra visão,

Anda trilhando por outro caminho o de aniquilação,

Antes, mesmo sendo tudo simples,

A humanidade tinha com seu Planeta uma certa paixão,

Hoje porém, quantos de fato observam o céu ou mesmo o chão?

Há tanto que se ver e observar,

Aprender um pouco pelo menos desse lugar,

Se levará para outra vida, outro mundo não sei,

Mas o prazer que se tem nessa observação já vale o tempo,

Mirar um pouco dessa maravilhosa vida que nos contempla,

Da própria vida que nos sustenta,

Dar valor a tudo ao nosso redor,

Parar um pouco de olhar apenas o umbigo,

Deixar de ser apenas um só.

seal

Anúncios
Publicado em POEMA | Marcado com | 4 Comentários

AMOR DE ANJO

 

AMOR DE ANJO1

 

AMOR DE ANJO

Por Cláudio El-Jabel

 

Olho na caminhada e vejo uma pessoa segurando uma placa,

Quando li pensei logo em alguma campanha contra fome,

Ao me aproximar daquela menina, sim menina por ser jovem,

Ela me olhou com um olhar de ternura e perguntou-me,

Pretende fazer uma doação senhor?

Eu disse sim, mas gostaria de saber a quem você irá direcionar,

Ela sorriu, mas foi um sorriso tão lindo que fiquei sem graça,

Pensei se estava eu cometendo alguma gafe ao perguntar,

E fiquei parado aguardando ser informado,

Quando de forma bem singular,

Ela levantou-se do chão e com um abraço super gostoso e apertado,

Me pegou de surpresa e sem reação,

Que apenas senti a diferença ao perceber meu coração,

Ele batia de forma diferente, ávido,

Depois de instantes não tive como não retribuir,

A princípio sem jeito, meio tímido,

Pensei que seria algo rápido,

Olhei ao entorno para ver se tratava de alguma filmagem,

Afinal o abraço durou uma eternidade, pensei eu,

Mas foi algo bem longo que só havia recebido uma vez apenas,

Sim quando fui abordado também por uma bela moça,

E quando digo bela não é apenas beleza exterior,

Mas principalmente a interior que deixa sair e contagiar,

Lembro-me que me falou coisas belas,

Nada pediu,

Afirmou que me amava, depois do abraço e seguiu,

Essa menina me fez lembrar muito sobre essa experiência,

E por incrível que pareça nada tenho contra qualquer crença,

Enfim a menina até foi um pouco mais além,

Após o gostoso abraço, um beijo no rosto levei,

Continuei ali abobalhado sem ainda entender,

E ela com seu belo sorriso me fala,

Já fez sua parte senhor, obrigada pela doação,

Foi quando eu a perguntei,

Oi menina, você  está passando por alguma dificuldade que eu possa ajudar?

E ela disse sorrindo, não senhor, apenas minha felicidade que quero compartilhar,

Eu volto a dizer, mas então não houve uma doação de minha parte,

Ela ainda sorrindo diz, e como houve,

Após permitir-me esse abraço e esse beijo, doaste a mim seu afeto e carinho,

E eu lhe disse mas quem não lhe daria um abraço?

Mesmo porque além de muito linda és doce e de uma ternura estonteante,

Ela sorri, agradecendo e responde,

Sim, hoje sou assim, pois esse foi o caminho que escolhi para poder viver,

Se de fato soubesse o que deixei para trás, nem imaginas,

Ainda curioso por saber insisti na sondagem,

Foi quando a bela menina me diz,

Senhor, agradeço muito seu carinho e seu afeto,

Também percebo que tens bom coração,

Mas entenda, estou aqui só de passagem,

Já perdi a minha vida humana faz um tempão.

seal

 

Publicado em POEMA | Marcado com | 10 Comentários

A CONQUISTA DO SILÊNCIO

ASSISTA AO VÍDEO DO LINK ABAIXO.

https://www.youtube.com/watch?v=-gk6J2rvL9E

ANGEL

 

A CONQUISTA DO SILÊNCIO

Por Cláudio El-Jabel

 

Um pensamento para se levar,

Quando tudo o que queremos é o bem estar,

Penso que o voo do pássaro é algo espetacular,

Mas sei também que não lhe pertence apenas,

Precisa do vento, da mistura de ar, da gravidade e das penas,

É uma matemática tão perfeita que assusta,

É a sutileza da vida,

A leveza do Ser,

Voe pássaro da vida,

Não se prendas a nada,

És livre ao vento para voar,

Estarei sempre aqui, mesmo quieto,

Sempre que precisar.

seal

Publicado em POEMA | Marcado com , , | 5 Comentários

O TEMPERO

O TEMPERO

 

O TEMPERO

Por Cláudio El-Jabel

 

Vejamos então de que forma começo,

Como a um despreguiçar ao acordar,

Meio sonolento, cheio de sonhos,

Sim estes sempre andam lado a lado junto a mim,

Muitas vezes não ouso contar,

Não que sejam proibidos,

Nem tão pouco algo tal,

Para mim apenas uma coisa natural,

Princípio que sustenta,

Reflete o desejo de continuar,

Tropeçando quem sabe,

Para também muitas vezes acertar,

Deixar o sopro do vento levar,

Mas ter a mão no leme,

E saber a hora de voltar,

Velejar na vida é assim,

Tem dias que sentimos tudo fácil demais,

Dá medo confesso,

Outros porém haja “rivotril” para aturar,

Baixa aquela vontade louca,

Diria até mesmo de matar,

Mas é algo de fora que interfere em meu interior,

Agressões da sociedade ou cultura local,

É quando o corpo para,

A mente reflete o que é do bem e o que é do mal,

E a ideia alimenta o desejo,

O guerreiro como sempre reflete,

Ou você fica de frente e sem medo,

Ou dá meia volta e nem se perde a analisar,

Dizem ser isso o mais fácil,

Dizem ser isso inteligência,

Eu para ser sincero acredito estar mais para sobrevivência,

Recebi parabéns pelos sete anos de blog,

Algo que voou, e não percebi,

Viajei aqui pelas letras,

Pelos versos que escrevi,

Pelas pessoas e carinhos que recebi,

Sempre nesse estilo de conversa,

De expor de dentro o que penso,

Ora ou outra após escrever vários trabalhos,

Muitas vezes o apago,

Meio rebelde, mudado acredito eu,

Mas procurando algo,

E sempre prometendo contar,

Enrolo daqui, enrolo de lá,

E como dizem a coisa sai meio diferente,

Não é poesia e sim coisas da mente,

Saem com rima,

Pois sem elas parece faltar significado,

Muitas vezes plena doçura com olhares mais positivos,

Noutras aquela amargura com o ódio dos mortais,

Vontade de fazer o que quem deveria não faz,

Não diria que a humanidade está perdida,

Sempre em tudo há esperança,

Pretendo completar meu álbum em breve,

E nele apenas conter boas lembranças,

Se irei mantê-las após essa mágica viagem, não sei,

Acredito que se impregnam de forma a moldar,

E nesse novo molde estrutural que venham a somar,

Sei bem que nosso gênio* errou em seus cálculos proposital,

Ao afirmar apenas mais seiscentos anos,

Talvez por ser cientista e saber de novas possibilidades da sobrevida,

Também não quero ser profeta de apocalipse,

E entendo que tudo sempre dependerá do tempero,

Assim como nosso alimento que sustenta,

O tempero, sempre será a vida como ela se apresenta.

seal

 

Publicado em POEMA | Marcado com , | 2 Comentários

DE FORMA DIRETA

DE FORMA DIRETA

DE FORMA DIRETA

Por Cláudio El-Jabel

Existe uma guerra interna que faço entre os dois espíritos,

Um é aquele todo poderoso e sagrado,

Criador de tudo que possamos imaginar,

Outro é o desaforado,

O maldito que destrói a tudo e a todos,

E adora debater os porquês e caçoar,

Dá para se entender que falo sobre o sagrado e profano,

A eterna disputa que existe no interior humano,

Mas essa briga ou guerra como se queira entender,

Não é de mim contra ninguém,

É a guerra do conceito, da determinação,

Por entender-me eu ser uma pura criação,

E por me dizerem sempre do meu livre arbítrio,

Me sinto a vontade de falar de frente,

Olho no olho,

Mente na mente,

Se há poder por parte de algo,

Na certeza minha também haverá,

E nessa guerra do que é justo ou injusto,

Vivo mesmo a reclamar,

Como entendo que tudo emana apenas de um ponto,

Seja o negativo ou positivo como entendemos,

Apenas dirijo o verbo de forma direta,

Quem sabe se não seria dessa forma que a gente se acerta?

seal

Publicado em POEMA | Marcado com | 4 Comentários

PESCA DE ALBATROZ

ALBATROZ

PESCA DE ALBATROZ

por Cláudio El-Jabel

As vezes tenho tempo de ler mas não de dar minha presença pessoal.

Assim que o vento mudar a direção volto a aportar nesse cais,

Quem sabe se a pesca não traga surpresas boas,

Fartura na rede, frutos do mar,

Sou velejador veterano,

Daqueles que gostam de navegar,

Se sorte tiver na pesca,

Mostro o fruto do trabalho,

Bom peixe e fresco como sempre,

Pois é esse o melhor presente,

De resto prometo que mesmo quieto observo a tudo todo instante,

Olho cada espaço amigo com carinho,

E como a um albatroz viajante,

Sempre voltarei a meu ninho.

 

seal

Publicado em POEMA | Marcado com , | 8 Comentários

PRIMAVERA

PRIMAVERA

PRIMAVERA

por Cláudio El-Jabel

Chegando devagar,

Primavera,

Tempo das flores,

Dos amores,

Das cores,

Tempo apreciado,

Bem visto e esperado,

Chegue bela primavera,

Mostre a todos seu encanto,

De cá fico a te esperar,

Observando as mudanças a minha volta,

Na certeza de festejar,

Cá é Setembro, Sakurá,

O que a mim é o melhor tempo,

Meu tempo, de cá,

Meu desafio,

Meu pensar no destino,

Meu canto de louvor,

Setembro, primavera, amor.

Copyrighted.com Registered & Protected  RXSF-19GF-P7SO-AT6F

Publicado em POEMA | Marcado com | 10 Comentários

SEREIA

SEREIA POEMA

 

SEREIA

por Cláudio El-Jabel

Na penumbra que se observa o vulto feminino,

Os olhos enxergam sereia,

Escondida nas pedras em declínio,

Pois não se atrevem a pisar na areia,

Em tempos venho eu observando, mas sem me aproximar,

Dizem serem elas encantos das mentes,

Das profundezas do mar,

Por vezes sinto que a vontade bate,

Uma intenção de mergulhar,

Poder conhecer seu mundo,

Observar mais perto sua beleza,

Saber se são rainhas ou princesas,

Poder quem sabe tocar,

Sentir seu encanto,

Participar de seus prantos,

E juntos em abraços ao fundo dos mares chegar.

Copyrighted.com Registered & Protected  DD0R-WGG7-DOWQ-CTZ7

Publicado em POEMA | Marcado com | 5 Comentários

RECONSTRUIR

RECONSTRUIR

 

RECONSTRUIR

por Cláudio El-Jabel

Quando o vento nos sopra,

Sim, ele sempre nos sopra,

Vezes por brisas frescas,

Vezes bem forte e tempestuosa,

Mas sempre em nossas vidas o vento sopra,

Não há como saber,

Não há como deter,

Não há como prever,

Nem mesmo como driblar,

Bom mesmo é ter raízes,

Destas bem fortes que fincam,

Como os grandes seres da Terra,

Sequoias, ciprestes, eucaliptos, baobás,

Estas vidas muitos ventos viram passar,

Nós, pobres humanos,

Devemos sim estar em outros planos,

Achamo-nos sempre os tais,

E apenas somos, reles animais,

Não estaria aqui para ensinar sobre a vida,

Nem mesmo seria esse meu plano,

Mesmo porque sou também Ser humano,

Mas convenhamos em uma reflexão,

Observamos a tudo,

Nomeamos a tudo,

Apossamo-nos de tudo,

E caminhamos quase sempre a contra mão,

Sopra vento, sopra,

Traga-nos conforto,

Consciência, razão,

Mostre-nos o seu sopro,

Sua direção,

Seu talento em zumbir,

Espalhe todas as sementes,

Ajude a reconstruir.

Copyrighted.com Registered & Protected  ZDOI-67SH-AKL3-YC3S

Publicado em POEMA | Marcado com | 6 Comentários

STATERA

 

STATERA

STATERA

por Cláudio El-Jabel

Sonhei que escrevia,

Escrevia o que sonhava,

Algo me acordava sempre no final,

A história nunca ficava pronta,

Mas nada disso me desaponta,

Então passei a meditar,

E meditando também sonhava,

Foi quando a fantasia invadiu-me de vez,

E escrevia tanto e tão apressadamente,

Que detalhes da fantasia ficavam perdidas na mente,

Voltei a meditar com maior doutrina,

E busquei refletir bem os sonhos,

Descobri então que não eram sonhos,

Apenas uma nova forma de olhar,

Questionei-me se de fato era real,

E o real em mim veio a se aportar,

Então voltei a escrever, com medida,

Preferi descrever um pouco do ruim comedido,

E das maravilhas da vida mais livremente,

Assim vou dando um descanso a mente,

Distraindo o querer por completo,

Equilibrando assim a força desse meu universo.

Copyrighted.com Registered & Protected  M8BK-RGFJ-N8G7-VZOZ

Publicado em POEMA | Marcado com , | 6 Comentários