COLETOR, NÃO SERVO


COLETOR NÃO SERVO

 

COLETOR, NÃO SERVO

por Cláudio El-Jabel

 

Hoje estava eu com muita vontade de escrever,

Escreveria qualquer coisa, mesmo que fosse bobagem,

Mas é algo que vem de dentro,

Uma verdadeira necessidade,

Seja quando vejo uma paisagem,

Quando estou em determinada situação,

Ou memso quando apenas a presencio,

E fica retida em minha mente,

São os acontecimentos ou mesmo leituras da vida,

Que trazem essa nessecidade,

Como se fosse um engatinhar,

Tomei coragem hoje e fui guiar,

Não que eu não saiba dirigir,

Já dirigi e pilotei máquinas fenomenais,

O problema é a modernidade,

Que também lembranças me traz,

Confesso que carro elétrico foi a primeira vez,

Mas para espanto de meu filho eu já sabia,

Como se ao me ligar com a nave,

Tudo dela eu já conhecia,

Ninguém em sã cosnciencia teria lembrança de futuro,

Visão de algo que já ocorreu,

E comigo acontece isso demais,

Já tentei tudo que possam imaginar,

Mas nem terapia, nem os que se dizem doutorados,

Me deram uma explicação condizente,

Tive que me aceitar assim mesmo,

E tentar ao máximo não exteriorizar,

Se sei que algo vai ocorrer,

Fico como se fosse proibido em dizer,

E alguém me perguntaria como já o fez por diversas vezes,

Se acredito que alguém me controla,

Se ouço vozes a me dizer o que devo fazer,

E o que eu faço é apenas mirar nos olhos,

Acreditava que isso fosse o que basta para se entender,

Mas tá difícil essa comunicação,

Quero alguém de meu tempo,

Preciso de alguém que me entenda,

Saiba se comunicar de forma clara,

Saiba olhar nos olhos e perceber quase que em telepatia,

Pois meu verbo quando fala,

Nem sempre fala em alegria,

Não sou pessimista, longe disso pensar,

Mas com tantas visões que já tive,

É muito difícil acreditar,

O que me resta como acredito a um mortal,

É seguir nessa relação de fé que tenho,

Sadia, sem dogmas, sem discriminações,

Uma fé de apenas agradecimento,

Por tudo que sinto, percebo e me alimento,

Nada escapa de minha percepção,

Toda essa riquesa que a mim se apresenta,

É algo sim já planejado,

Não há como ser diferente,

Nada o é por acaso,

Tudo já é algo escrito,

Que acredito seria um grande desperdício,

Se fosse apenas para saciar meu ego,

Então me coloco como um Ser, não como um servo,

Um transferidor de informação,

E me disponho sem medo a desbravar toda essa imensidão.

seal

 

Anúncios

Sobre KAMBAMI

Quode natura date, nemo negare potere.
Esse post foi publicado em POEMA e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para COLETOR, NÃO SERVO

  1. mariel disse:

    A nave te agradou?

    Curtido por 1 pessoa

    • KAMBAMI disse:

      Mariel meu querido, quanto ao carro elétrico uma maravilha, já deviam ter abandonado a muito a combustão fóssil, ainda, perdi o caminho no meu computador. Ando mais enrolado que nunca.
      Em relação a outra nave a que peguei para vir pra cá, lhe digo que não, assim que começamos a subir e como o tempo estava péssimo a nave meio que deu uma estolada, acreditei por sentir o corpo desfalecendo. Péssima experiência e não me pergunte como entrei nessa sem Rivotril, nem eu sei bem, acho que o desespero de fugir da guerra, não tenho mais cabeça para essas coisas. Por aqui muita paz, ando a colher peras e castanhas. 👍😉

      Curtido por 1 pessoa

Obrigado pela visita, seu comentário é mais que importante é fundamental!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s