PARA FALAR DE FLORES


PARA FALAR DE FLORES

PARA FALAR DE FLORES

por Cláudio El-Jabel

 

Disse que falaria de flores,

Para evitar um pouco os horrores,

Ai pensei nas plantas medicinais,

Afinal havia começado um blog que descrevia sobre as mesmas,

Mas acabou por ficar parado,

Faltou gancho não sei, vontade talvez,

Percebi que as pessoas querem tudo pronto,

Não querem procurar, estudar, entender os porquês?

Se lhes contam uma história já acreditam no ato,

Não importa se ela existiu de fato,

Verdadeiro consumismo até na informação,

Querem tudo de bandeja,

De preferencia bem posta a mesa,

Comem apenas o que lhes apetece,

Rejeitam o resto que nem sentiram o sabor,

Muitas vezes por ouvir dizer que é veneno, mata,

Quando a bem da verdade tudo é veneno,

Até mesmo aquilo que se bebe em garrafa ou na lata,

Infelizmente nem mesmo nossos vegetais querem mais ajudar,

Prefere omitir seus poderes, evitarem com isso o corte,

Para viverem suas vidas em tranquilidade,

O mesmo que nos humanos fazemos ao omitir a verdade,

Mas então como saber ou conhecer tal receita,

Por que a mesma erva que mata, manipulada por outro, salva?

Simples assim, há diversas formas de colher,

Umas, colhemos bem cedinho,

Outras ao entardecer,

Umas devem ser brotos,

Outras bem velhas e desbotadas,

Outras ainda no seco ou quando estão bem molhadas,

Há, ia me esquecendo,

Existe algo que poucos sabem,

As plantas se contaminam com seus vizinhos,

Há de saber então onde colhê-las,

Em que tamanho podem ser usadas,

Se maceradas, por decocção ou fervura,

Se secas ao Sol ou mesmo a sombra,

Se queimadas as cinzas ou em carvão,

Assim são nossos pensamentos,

Para alguns, pode não surtir efeito,

Não por ser leigo, mas não ater a atenção,

Então nada mais justo que deixar a poesia responder,

E claro nada como a de Shakespeare.

 

“Oh! imensa é a graça poderosa que reside nas ervas e em suas raras qualidades, porque na terra não existe nada tão vil que não preste à terra algum benefício especial. Dentro do terno cálice da débil flor residem o veneno e o poder medicinal…”

(Cena III, Ato II de Romeu e Julieta – William Shakespeare, 1564-1616)

 

 

 

 

Anúncios

Sobre KAMBAMI

Uma metamorfose humana do conhecer e aprender. Simples porém exigente. Bem sobre o autor desse blog, me parece ser um cara legal, gosta de conversar, dar pitacos aqui e acolá. Procuro ser o mais sincero que a vida me permite, adoro amizades, sou tímido acreditem também uma metamorfose ambulante como diria Raul. Adoro cozinhar, mas na escrita sou mesmo comilão, como acento, concordância verbal, minha gramática de fato anda bem mal, mas sou um cara legal. Tenho muito gosto em escrever o que me vem à mente ou o que me chega aos ouvidos e visão, sou um observador nato desde minha aparição. Aqui é um palco de teatro não se engane há muito de quem escreve e muito de fantasia, mas não há bilheteria, então sinta-se a vontade, puxe sua cadeira e sente, estou quase sempre presente, me enrolo muitas vezes nessa de seguir quem me segue, me perco nesse mundo danado de internet. Não sou esnobe, sou pessoa bem simples, gosto da natureza, da boa mesa, do bom papo, não tenho hora, não uso relógio para controlar meu tempo, a muito me deixei ser levado ao vento, ora furioso que me derruba e machuca, ora bondoso que me embala em doçura. Chamo-me Cláudio El-Jabel, também podem me chamar de Kambami ou Kael, adoro distribuir carinho sem intenção outra que não seja da amizade ser bela, ser amiga, ser sincera, entendo que nossa vida é algo muito rápido e nem sempre dá tempo de nos conhecermos melhor, mas essa é minha apresentação, muito prazer, eu não esqueço vocês, já os tenho em meu coração, sejam bem vindo então.
Esse post foi publicado em METÁFORA, POEMA, REFLEXÃO, RELIGIÃO, Saúde e bem-estar e marcado , , , . Guardar link permanente.

9 respostas para PARA FALAR DE FLORES

  1. MariaLDário disse:

    Terminando bem o dia, Kambami! Assim é bom! Obrigada por mais este post, tão questionador e tão rico em conhecimentos. Boa-noite.

    Curtido por 2 pessoas

    • KAMBAMI disse:

      Agora sim, gostei de ver que para tudo tem explicação, deixo então com todo carinho e após o trabalho diário, um belo descanso, mas não deixe de cobrar o salário, rsss. 😉
      Uma bela noite a você Maria! 😉

      Curtido por 1 pessoa

  2. jomabastos disse:

    “…Por que a mesma erva que mata, manipulada por outro, salva?…”
    “…Dentro do terno cálice da débil flor residem o veneno e o poder medicinal…”

    As Flores… as Ervas… eternas amigas da saúde e bem estar do Homem!

    Curtir

  3. Pulando a bela analogia que fizeste…

    Tinha um programa na Band que eu adorava ver: era com Professor Sylvio Panizza. Aprendi muito com ele sobre plantas medicinais 🙂

    E fiquei de voltar ao seu outro blog 😦 Digitando devagar, não dá para conciliar tudo. Hoje por exemplo, deixei de digitar dois textos de filmes para visitar a blogosfera que eu até já estava em falta com os amigos 🙂

    Curtido por 1 pessoa

  4. Onde e quando: ao sol, da manhã? Crepuscular? Sob a lua? Negra, Crescente, Plena? Em tudo, a colheita, assim como a semeadura, é arte! E para os bons, já peritos no semear. A semeadura é livre…
    Bacana.

    Curtido por 1 pessoa

Obrigado pela visita, seu comentário é mais que importante é fundamental!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s