O REAL E O LITERÁRIO


O REAL E O LITERÁRIO

O REAL E O LITERÁRIO

Por Cláudio El-Jabel

 

Será que escreve apenas o que sente o poeta?

Sim, afirma a psicanalise,

É um estudo profundo,

De quem provou de fato o mundo,

O poeta pode até ter sua linha de expressão,

Uns preferem falar do amor, outros da solidão,

Mas há os que falam um pouco de tudo,

Das suas visões percebidas no mundo,

Dali não há uma classificação,

Ou talvez até tivesse,

Depende apenas da analise que conviesse,

Isso é uma vontade do corpo escritor,

Das associações instaladas,

Pois o caminho pode e deve trilhar por outros rumos,

Sair da mesmice, criar fantasias ou mesmo erudição,

Assim capta e não exclui nenhum tipo de leitor,

Seja ele aluno ou mesmo educador,

Escrever é uma vontade nata,

Começa muitas vezes jovem nos diários,

Muitas vezes também para pelo rumo da vida,

Noutras segue um caminho, diria evolutivo, da lida,

Onde toda informação passa a pertencer ao desejo,

É quando o poeta enfrenta seus medos,

Declara em versos e prosa,

Toda sua visão detalhada da vida,

Alegrias e tristezas,

Maldade e bondade,

Amores e dissabores,

O que mais importa ao poeta,

E mesmo que declare diferente,

É que ele fala a verdade,

O poeta nunca mente,

Nem mesmo sua dor,

Que alguns afirmam que não sente.

Anúncios

Sobre KAMBAMI

Quode natura date, nemo negare potere.
Esse post foi publicado em POEMA, REFLEXÃO e marcado , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para O REAL E O LITERÁRIO

  1. jomabastos disse:

    O Poeta escreve o que sente, fala do seu modo de visionar o mundo, da análise que faz de tudo que o rodeia, cria imaginações e fantasias, suas palavras levam conhecimento e sabedorias, sua escrita transmite seus receios e preocupações, jubila com seus contentamentos, desconsola-se com seus desalentos, venera suas paixões, identifica-se com com aquilo que redige em suas narrações.

    Um semana cheia de saúde e ricas escreveduras.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Como disse uma vez Fernando Pessoa:

    O poeta é um fingidor
    Finge tão completamente
    Que chega a fingir que é dor
    A dor que deveras sente.

    Amei o poema, li alguns e todos carregam uma densidade que não vejo em todo lugar. Eles são sóbrios, maduros, intensos, gostei muito!

    Curtir

  3. 365 dias disse:

    Adorei o post, adorei o blog, adorei tudo aqui.
    Estou com um blog novo também, se pudesse dá uma olhadinha eu ficaria muito feliz (https://healthebeauty.wordpress.com/)
    Tá de parabéns!!!
    Att
    Ingrid Duarte

    Curtido por 1 pessoa

    • KAMBAMI disse:

      Que bom, fui em seu espaço e já deixei o meu falar, adorei estar lá no pedaço e gostei muito do texto que li, fiz meus votos a você e até pretendo conversar com o tempo, já que ele está sempre a meu lado, somos como unha e carne e ele sempre me escuta. Então terei com ele uma conversa de pé de ouvido para que te ajude nessa labuta. Caso queira conhecer melhor o tempo, aqui mesmo lhe faço um convite basta dar um click no link e sentirá o poder de tempo, agradeço desde já sua leitura e espero que goste de conhece-lo, não se amedronte com ele e nunca também tenha medo. 😉
      https://kambami.wordpress.com/2013/04/13/127/

      Curtido por 1 pessoa

Obrigado pela visita, seu comentário é mais que importante é fundamental!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s