RETICÊNCIAS


RETICÊNCIAS

RETICÊNCIAS

por Cláudio El-Jabel

 

Sempre é o que buscamos,

Andarilhos por eternos anos,

Ou quem sabe um tempo anormal,

Onde marcar o tempo seja algo intenso,

E no intenso tempo atemporal,

Sentimentos descritos de formas poéticas,

Sem formas normais quiçá entender,

Vagando entre versos e prosas,

Entre sentir e descrever,

Onde a escrita pode vir oferecer,

Onde há reticências é pedir participação,

Onde quer partilhar sentimentos damos as mãos,

Onde a leitura é ternura, noite estrelada,

Onde vemos as palavras saírem em caminhada,

Nessas trilhas de versos falamos a quem ouve,

Quem vê, lê e sente,

Isto torna-nos mais humano,

Isso nos faz contentes,

Onde a palavra descrita cala,

Onde a leitura insiste e fala,

Onde a reticência abre o participar,

Onde um caminho não se fecha,

Mas deixa que outro a ele venha adentrar,

É assim que percebo o sentir,

Assim percebo o partilhar,

Deixo então em meus caminhos,

Como endereço acertado,

Finalizando a escrita,

Fazendo dela a porta sempre aberta,

Convidando a partilhar,

Ao encontro humano,

Deixando em trilha a reticência,

Para que outro venha completar,

Uma pulsação que difere,

Um novo caminho a trilhar…

Anúncios

Sobre KAMBAMI

Quode natura date, nemo negare potere.
Esse post foi publicado em METÁFORA, POEMA, REFLEXÃO e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Obrigado pela visita, seu comentário é mais que importante é fundamental!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s