SEM PRETENSÃO


SEM PRETENSÃO

SEM PRETENSÃO

Por Cláudio El-Jabel

Vamos levando do jeito que dá,

É como o remo em um barco,

Ao remar vamos saindo do ponto,

Crendo que há uma margem a chegar,

E quanto mais força colocamos ao remo,

Mais rápido acreditamos estar perto ou a frente,

No caso da vida o remar é diferente,

Não temos pressa em chegar a lugar algum,

Temos sim a responsabilidade em manter a direção,

Saber guiar com destreza a nossa embarcação,

Nesse mar da vida as ondas não são constantes,

Muitas vezes o mar está manso, parado,

Noutras porém revolto e sufocante,

Sempre haverá a boia salvadora,

Mas esta nem sempre esta ao alcance das mãos,

Há de se ter certeza da profundidade que se encontra,

Antes de pensar em atirar-se ao mar,

As braçadas nele muitas vezes não surti o efeito desejado,

O que resta é torcer pra que alguém de boa fé lhe lance a boia,

Que amarrada a corda como reforço,

Traga-lhe sem muito esforço,

Para borda dessa embarcação,

Muitas vezes sem nenhuma pretensão,

E mesmo arriscando-se na tempestade,

De não ser tratado como amigo de verdade.

Anúncios

Sobre KAMBAMI

Quode natura date, nemo negare potere.
Esse post foi publicado em METÁFORA, POEMA, REFLEXÃO e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Obrigado pela visita, seu comentário é mais que importante é fundamental!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s