POEMA DAS FALSAS ANDORINHAS


ANDORINHAS

POEMA DAS FALSAS ANDORINHAS

por Cláudio El-Jabel

 

Há pessoas e andorinhas,

Assim como há os que pensam poder sê-las,

Porém andorinhas vivem aos bandos,

Para terem certa proteção,

Desviando os olhares de corvos e falcões,

Mas não fogem aos olhares da águia,

Essa não as deixam escapar,

E em sobrevoo tão alto,

Em mergulho direto as vem atacar,

Se forem boas andorinhas, saberão se esquivar,

Mas as falsas andorinhas acabam de cair em armadilha,

E com tanto canto alardeiam,

Onde o que voa, pode ter até penas,

Plumagens coloridas e fúteis,

O que vale é cantar alto,

Balançar as penas e mostrar to aqui,

Não se importando nem com o canto,

Nem se é pássaro ou morcego,

Pois o que vale nesse voo,

É mostrar que não tem medo,

E assim voam leves e falsas andorinhas,

Crendo com isso estarem a recriar o verão,

E esquecem-se da armadilha,

Da águia que de longe avista sua presa,

E que dessas andorinhas costuma ter sempre farta sua mesa,

E nessa disputa de canto, alardeiam e alardeiam,

E tornam-se o prato farto, das águias que vivem em atenção,

Belos pássaros de uma cadeia alimentar,

Uns cantam pouco, outros tem mais a mostrar,

E nesse turbilhão de vozes ferozes,

Todos pecam no fator elementar,

Cantam bem e em várias vozes,

Mas nenhuma delas aprendeu a voar.

 

Anúncios

Sobre KAMBAMI

Uma metamorfose humana do conhecer e aprender. Simples porém exigente. Bem sobre o autor desse blog, me parece ser um cara legal, gosta de conversar, dar pitacos aqui e acolá. Procuro ser o mais sincero que a vida me permite, adoro amizades, sou tímido acreditem também uma metamorfose ambulante como diria Raul. Adoro cozinhar, mas na escrita sou mesmo comilão, como acento, concordância verbal, minha gramática de fato anda bem mal, mas sou um cara legal. Tenho muito gosto em escrever o que me vem à mente ou o que me chega aos ouvidos e visão, sou um observador nato desde minha aparição. Aqui é um palco de teatro não se engane há muito de quem escreve e muito de fantasia, mas não há bilheteria, então sinta-se a vontade, puxe sua cadeira e sente, estou quase sempre presente, me enrolo muitas vezes nessa de seguir quem me segue, me perco nesse mundo danado de internet. Não sou esnobe, sou pessoa bem simples, gosto da natureza, da boa mesa, do bom papo, não tenho hora, não uso relógio para controlar meu tempo, a muito me deixei ser levado ao vento, ora furioso que me derruba e machuca, ora bondoso que me embala em doçura. Chamo-me Cláudio El-Jabel, também podem me chamar de Kambami ou Kael, adoro distribuir carinho sem intenção outra que não seja da amizade ser bela, ser amiga, ser sincera, entendo que nossa vida é algo muito rápido e nem sempre dá tempo de nos conhecermos melhor, mas essa é minha apresentação, muito prazer, eu não esqueço vocês, já os tenho em meu coração, sejam bem vindo então.
Esse post foi publicado em METÁFORA, POEMA, REFLEXÃO e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Obrigado pela visita, seu comentário é mais que importante é fundamental!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s