SOU FILHO DE PEMBA


FILHO DE PEMBA

SOU FILHO DE PEMBA

por Cláudio El-Jabel

 

Sou filho de Pemba, sou guerreiro sem armas,

Nasci em berço tropeiro aos pés de Ògún,

Não sou diferente de todos e sim descendente valente,

Que abre a boca e reclama aos que se dizem saber,

Dando a prova amarga do que ignoram ou se furtam em não ver,

Não declaro descendência, muito menos títulos gosto de expor,

Mas sou macumbeiro da vida de casas antigas onde fui e ainda vou,

Casa Branca, Ceja Hunde, Tumba Jussara, Opô Afonjá, Gantois,

Se procurares com lente verás os meus pés marcados por lá,

O que trago, vem de berço, vem de lida, vem de tempos,

Não que vire a cara a livros, mas estes se vão com os ventos,

Sou pensador e caminhante, sou doutor e ignorante,

Caminho por trilhas longínquas, sem montaria ou bagagem,

Colho as sementes da vida, as que brotam em árvores sagradas,

Não me perturbo com teimosias ou descrenças no verbo,

Pois entendo a magia, sua essência sutil,

E a mistura que serve para não ter a mente tão vil,

Lembrando do tempo inicial, onde a pergunta enrolava,

Acabei por aprender da forma mais bela,

Aprender com a vida nas palavras sinceras,

Em lembranças sadias renomeio aos que ajudaram,

A fazer-me crescer e aprender da forma mais correta possível,

Ensinar a quem crer e calar-me ao incrível.

 

Sobre KAMBAMI

Quode natura date, nemo negare potere.
Esse post foi publicado em POEMA, REFLEXÃO, RELIGIÃO e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Obrigado pela visita, seu comentário é mais que importante é fundamental!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s