VIATICU


wormhole-an-artists-conception[3]

VIATICU

por Cláudio El-Jabel

 

Começada a jornada, nada mais poderá parar,

É uma jornada sem volta a qual nunca deveria optar,

Por entre nuvens estrelares, de cores da imaginação,

Percebo o corpo leve em plena alucinação,

A cabeça pensa mais rápido do que posso fazer,

Tudo é tão rápido, mas permitido perceber,

Viagem estrelar, conto, encanto talvez magia,

Corpo pulsando e cheio de energia,

Estrelas passando na velocidade da luz,

Planetas girando em plena maestria,

Dimensões diferentes eu vim a aportar,

Sem nenhuma necessidade de ter que me adaptar,

É tudo novidade, mas já não estranho a lembrança,

Pois nela sempre estive, só me faltava a esperança,

Esperança essa de poder conseguir,

Viajar pelas nuvens do Cosmos,

Seguir até verificar o meu fim,

Sem temer o por vir, apenas desfrutar da paisagem,

Pois estou sem compromisso e não carrego bagagem,

Conheci diversas civilizações,

Algumas bem semelhantes e outras nem tanto,

Algumas a somar e outras a me causar espanto,

Viajo ao infinito Cosmos sem fim,

Mas não dou meia volta, pois pretendo encontrar o fim,

Vai que entro em uma nova constelação de uma Galáxia distante,

Onde minha busca incessante não confere a razão,

Ela é bem diferente, vemos tudo ao inverso,

Ou seria efeito da viagem, que mudou meu pensamento,

Soprando-me ao seu vento como um Dente de Leão,

Não sei quem sabe a verdade sem nem mesmo dela pertencer,

Pois não sei nem quem sou, quanto mais o que pela frente irei ver,

Continuando a jornada percebo a cada passagem aumentar minha velocidade,

Não sinto mais corpo só tenho ainda minha mente e vontade,

Que mais leve consegue a tudo verificar,

Interessante as imagens, muito faz lembrar os corais,

São conchas, estrelas, esponjas cósmicas reluzentes,

De cores tão belas e formas tão complexas,

Que me pergunto rápido se estou no espaço ou no fundo do mar,

Agora entendo porque Sagam e outros diziam sobre o Oceano Cósmico,

É tudo bem parecido, porem em proporções gigantescas,

Não temos peixes nadando, mas há nadando os cometas,

Estes cruzam minha frente, como se não tivessem direção,

Já passei pelo verde e percebo agora um de tom marrom,

Mais adiante vejo outro, esse alaranjado com calda bem esticada,

Passa rápido por mim em sua trajetória desesperada,

Tornou-se mais rápida, eu também não percebo mais limites,

Estou aponto de tornar-me luz, não sei,

Flashes fazem-se a todo o momento e mesmo assim consigo perceber,

São as Galáxias que passo a cada tempo mais rápido,

Já ultrapassei a muito a chamada velocidade da luz,

Não saberia descrever a medida para tal situação,

Pois aqui a matemática é outra, totalmente diferente dos conceitos que sabia,

Nem mesmo eu percebia que este mundo diferente e de força descomunal,

Dividisse conosco o mesmo espaço sideral,

Não deixei marcas pelo caminho, logo não me arisco afirmar que posso voltar,

Mas irei um pouco mais adiante e tentar ver o que posso encontrar,

Mais rápido mais rápido, cada vez mais rápido,

Percebo algo em forma de tubo a minha frente,

Mesmo que eu tente, não consigo desviar,

Não estou com medo e sim receio de entrar,

Há cantos que a luz é tão intensa que não dá para olhar,

Porém existem os pontos escuros de tão negros que parecem nos sugar,

Não há mais força que me puxe, pela velocidade que agora estou,

Mas também não dá para mudar minha trajetória e para o tubo de certo que vou,

Chego mais perto da entrada e junto comigo há várias matérias entrando também,

Algumas são estrelas, outras parecem planetas, nuvens, e formas tão estranhas,

De certo entrarei junto delas e deveras eu perceber que é uma força bem estranha,

Pronto estou dentro, é muito louco esse lugar,

Faz curva pra todo lado, não tem acima nem abaixo,

Não tem fundo que possa visualizar, mas a velocidade aumenta,

Até meu quase desintegrar,

Perco os sentidos não consigo mais ver nada,

Não sei o que houve, mas só percebo o movimento,

Como se fosse um monstruoso vento aos meus ouvidos sussurrar,

Percebo passar por algo como uma barreira, como se fosse uma cortina d’água,

Minha visão aos poucos começa voltar,

Desacelero então sem nem mesmo entender porque,

Mais algumas curvas a frente e percebo algo claro aparecer,

Saio já na velocidade inicial, e olha que coisa estranha,

Voltei ao meu ponto de partida, percebo a minha Galáxia, meu Sistema,

A trilhões de anos luz a frente,

Começo um novo caminho então,

E percebo meu rumo sem nem mesmo tê-lo entendido,

Parecendo um piloto automático ao qual eu deva ter escolhido,

A velocidade já não é mais a mesma e pela desaceleração volta tudo ao normal,

A cada momento aproxima-se do meu tesouro, minha casa,

Aquela por onde comecei a jornada,

Já estou perto, se é que milhas luz pode-se dizer assim,

Mas para quem viajou como eu, essa palavra traduz bem o que passei,

Uma viajem alucinante, a qual jamais esquecerei,

Avistando o ponto Azul, ao qual não há nada igual,

Sei que és tu Planeta Terra que me chamas para aportar,

Como uma mãe caridosa e preocupada,

Verificou a falta do filho que saiu em sua jornada,

Não me proibiu de viajar, mas também não me perdeu de vista,

E soube muito bem fazer soprar o vento a seu favor,

Para trazer de volta seu filho, que lhe respeita e lhe tem muito amor,

Obrigado Mãe querida, sei que de ti não posso me perder,

Nasci de teu ventre e é nele que devo perecer.

Minha viagem porem não foi em vão,

Trouxe na bagagem memórias e iluminação,

Trouxe a resposta que nem pensava,

Que mesmo longe da Terra não posso dela fugir,

Pois nasci em seu leito, alimentei-me de seu peito,

Modifiquei meu pensar e sei que é nela que devo ficar.

Copyrighted.com Registered & Protected 
UBEC-2PM3-TJKI-MKUO

Anúncios

Sobre KAMBAMI

Uma metamorfose humana do conhecer e aprender. Simples porém exigente. Bem sobre o autor desse blog, me parece ser um cara legal, gosta de conversar, dar pitacos aqui e acolá. Procuro ser o mais sincero que a vida me permite, adoro amizades, sou tímido acreditem também uma metamorfose ambulante como diria Raul. Adoro cozinhar, mas na escrita sou mesmo comilão, como acento, concordância verbal, minha gramática de fato anda bem mal, mas sou um cara legal. Tenho muito gosto em escrever o que me vem à mente ou o que me chega aos ouvidos e visão, sou um observador nato desde minha aparição. Aqui é um palco de teatro não se engane há muito de quem escreve e muito de fantasia, mas não há bilheteria, então sinta-se a vontade, puxe sua cadeira e sente, estou quase sempre presente, me enrolo muitas vezes nessa de seguir quem me segue, me perco nesse mundo danado de internet. Não sou esnobe, sou pessoa bem simples, gosto da natureza, da boa mesa, do bom papo, não tenho hora, não uso relógio para controlar meu tempo, a muito me deixei ser levado ao vento, ora furioso que me derruba e machuca, ora bondoso que me embala em doçura. Chamo-me Cláudio El-Jabel, também podem me chamar de Kambami ou Kael, adoro distribuir carinho sem intenção outra que não seja da amizade ser bela, ser amiga, ser sincera, entendo que nossa vida é algo muito rápido e nem sempre dá tempo de nos conhecermos melhor, mas essa é minha apresentação, muito prazer, eu não esqueço vocês, já os tenho em meu coração, sejam bem vindo então.
Esse post foi publicado em POEMA e marcado , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para VIATICU

  1. Pingback: # CHEIA DE HISTÓRIA | UNOBTAINIUM

Obrigado pela visita, seu comentário é mais que importante é fundamental!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s